08 março 2017

REVIEW | Through the Woods, de Emily Carrol



Título Original: Through the Woods
Autor: Emily Carrol
Editora: Faber & Faber
Data: 1 Julho de 2014
Páginas: 208
ISBN: 9780571288656
Classificação Pessoal:
Goodreads: aqui
O que vamos encontrar: terror, criaturas sobrenaturais, monstros da nossa infância

~~~~~
A fantastically dark and timeless graphic debut, for fans of Grimm Tales, The Melancholy Death of Oyster Boy and the works of Neil Gaiman 


'It came from the woods. Most strange things do.'
Five mysterious, spine-tingling stories follow journeys into (and out of?) the eerie abyss.
These chilling tales spring from the macabre imagination of acclaimed and award-winning comic creator Emily Carroll.
Come take a walk in the woods and see what awaits you there...
~~~~~

A HISTÓRIA
Emily Carrol traz-nos um conjunto de histórias de completo terror! A sério, este livro é uma boa sugestão de leitura para Outubro, se quiserem algo que se enquadre na temática do horror.



Neste livro, o perigo espreita a cada página, quando menos se espera: ora temos donzelas que foram esquartejadas e que vivem nas paredes de uma mansão, assombrando os seus habitantes; ora temos homens mortos que regressam à vida de uma forma estranha e inexplicável; como também pessoas possuídas e monstros que se servem do corpo humano, consumindo-o e vivendo como parasitas. Ninguém escapa ao lado mais negro, nesta história!



Os contos acabam por ser mais curtos e algumas das histórias ficam com um final em aberto. Sendo por isso ou pelo facto de se desenvolverem de uma forma mais geral, acabei por sentir que falhava ali qualquer coisa. 

Uma das partes de que mais gostei, foram as páginas introdutórias e finais, com a parte da menina que gostava de ler, à noite no seu quarto, mas que tinha medo de apagar a luz, com receio que surgisse algum monstro; e a parte final, da conclusão, com o capuchinho vermelho que se aventura no bosque e a sombra que lhe fala através da janela. 


A ARTE
E a arte? A arte é fantástica. Linda! Adorei o traço, as cores, o trabalho com os diferentes planos. Na minha opinião, Emily Carrol consegue traduzir nessas pinceladas o medo provocado por essas criaturas que assolam o mundo da narrativa.

E a capa? Lin-da! E com uma textura rugosa. Mais um ponto a somar.




Aconselho vivamente a leitura 😉

Sem comentários:

Enviar um comentário