26 fevereiro 2016

REVIEW | A Seleção, de Kiera Cass



Título Original: A Seleção
Autor: Kiera Cass
Editora: Marcador
Data: 2012
Páginas: 368
ISBN9788565765015
Classificação Pessoal:
Goodreadsaqui

Já vos aconteceu não darem nada por um livro ~ influenciados talvez pela capa do mesmo e pela ideia errada da intriga ~ mas acabarem por lê-lo e ficarem super surpreendidos? Pois, foi exactamente isso que aconteceu com A Seleção.

Este foi o primeiro livro que recebi da parceria com a editora Marcador e, desde já, gostaria de agradecer a oportunidade de leitura à mesma. 


Acho que já toda a gente conhece ~ ou pelo menos, ouviu falar, em traços gerais ~ da intriga desta série. Kiera Cass conta-nos a história das personagens de Illéa, uma sociedade surgida após a 4ª Guerra Mundial. Illéa é um país que surge após a queda dos EUA, nesse mesmo local, sendo agora governada por uma monarquia.

Esta sociedade distópica é composta por castas, sendo que, cada uma, tem um ofício específico. A 1ª casta corresponde à família real e a casta número oito, aos mendigos e filhos bastardos (sim, só se pode ter filhos após o casamento). Pelo meio, temos castas de cientistas, professores, artistas (a casta da América) e de trabalhadores servis, por exemplo.


O príncipe está quase a completar 16 anos e está na altura de começar o processo de selecção da nova princesa. Como já podem adivinhar, esta princesa é escolhida de entre os 35 distritos que compõem as castas inferiores à 1ª. É um evento muito esperado pois é oportunidade de as concorrentes trazerem um dinheiro extra para as suas famílias, que passam por algumas dificuldades, e a possibilidade de subirem de casta, uma vez que, findo o processo, retomam a uma casta superior à sua. 

Como seria de esperar, a única possibilidade de subida de casta é resultante de um casamento com alguém de uma casta superior. É totalmente desaconselhada uma união com alguém de uma casta inferior.


América, a nossa personagem principal, mantém um romance escondido com Aspen, que pertence à casta 6 e é este que, juntamente com a família daquela, acabam quase que por "obrigar" a América a concorrer ao processo de selecção. Toda a gente acredita que aquela é uma oportunidade imperdível.

O certo é que ela acaba por ser escolhida e viaja para o palácio, juntamente com mais 34 candidatas. A partir daqui, o processo é acompanhado quase como se fosse um Big Brother.

Conseguem imaginar 34 mulheres à luta pelo mesmo? E digo 34 porque a América acaba por confessar ao príncipe que não está minimamente interessada em conseguir o título, apenas pretende ficar mais uns tempos, não só pelo dinheiro que consegue fazer chegar à família, mas também para ficar um tempo distante de algumas pessoas que, no presente, só lhe trariam sofrimento. E acaba por crescer uma amizade e cumplicidade entre ambos e ela promete ajudá-lo a conhecer o outro lado daquelas candidatas. No fundo, o livro vai relatar esta aproximação gradual entre ambos, e o reconhecimento, por parte da América, de que o principe não é, afinal de contas, tão arrogante e insensível, como o pintavam lá fora.


Na minha opinião, esta aproximação entre as duas personages é bem construída, parece ~ como é que vos posso explicar... ~ fluída, uma vez que é apresentada através de acontecimentos e acções indirectas que nos vão auxiliando no processo de conhecimento do carácter das mesmas. Nem tudo é dado ao leitor de forma directa, há muita coisa que nos chega através de conversas e atitudes, de escolhas e gestos, que nos faz reflectir e não simplesmente ler o que nos é dado. E acho que este foi o motivo que me fez compreender algumas atitudes e indecisões da América e que salvou esta obra de cair num mero romance mi mi mi.

A personagem principal é dotada de humor, é natural nas suas atitudes e reage como a maior parte de nós reagiria numa situação similar. Em resumo, é bastante verosímil. No entanto, cai um pouco no cliché da Katniss, do The Hunger Games (Jogos da Fome). Desculpem... era inevitável: menina defensora dos oprimidos, que luta para terminar com as injustiças, que não esquece as suas origens e trata os que estão ao seu serviço com igualdade. O que me leva a questionar: estas personagens nunca falham? Nunca cometem algo que vá contra os seus princípios e do qual se arrependam?


Apesar de tudo, gostei da sociedade apresentada. Pena minha que não tivesse sido mais explorada e acho que é uma falha que se irá manter nos restantes volumes da série. Acredito, no entanto, que o ponto crucial da autora fossem as personagens em si e não o mundo distópico. Por essa razão, as novelas lançadas (das quais já li "A Rainha" e "O Príncipe"), nos continuam a dar a conhecer as personagens e não o mundo envolvente

Se bem me conhecem, eu não sou muito de romances. É verdade. Então por que razão este livro me surpreendeu pela positiva, quando toda a gente o apresenta como sendo um "bom romance"? Acho que nem eu própria consigo responder bem a esta questão. No entanto, tenho que reconhecer que, de certa forma, se deve ao facto de eu me ter sentido uma leitora activa, ou seja, também eu fui construindo a história a partir daquelas acções e atitudes. Nem tudo foi dado de forma certa e garantida, não foi uma simples romance do "agora não te quero", "agora quero", as personagens não eram assim tontinhas. São personagens com as quais eu me conseguia identificar em diversos momentos, personagens que foram crescendo, que tinham atitude e densidade.


E mais para o fim há assim um acontecimento que vem apimentar as coisas :) Escusado será dizer que estou mortinha por ler A Elite, não é?

Aconselho esta leitura. Não se deixem enganar pela capa :)


19 fevereiro 2016

REVIEW | Morreste-me, de José Luís Peixoto


Título Original: Morreste-me
Autor: José Luís Peixoto
Editora: Quetzal
Data: 2009
Páginas: 60
ISBN9789725648025
Classificação Pessoal: 

Goodreadsaqui

Não devia primeiro fazer a review dos livros que estão em espera desde Janeiro? 

Devia. Devia sim.

Mas este é... um dos livros mais bonitos que já li na vida. E sim, apetecia-me falar sobre ele.

Há mais de dez anos que queria este livro. Sim, dez anos! Em Dezembro, o meu irmão ofereceu-mo na nossa visita à Livraria Lello.


Tanta coisa poderia ser dita sobre esta obra, mas não me sai mais do que algumas frases. Sessenta páginas que se lêem de uma assentada mas que nos marcam e nos fazem pensar e voltar a elas durante dias e dias.


Peixoto traz-nos o relato da morte do pai e o processo de luto, misturado com frequentes passagens em que revive a infância e os momentos ao lado do progenitor. Como podem imaginar, é um livro carregado de tristeza, dor, sofrimento e saudade, mas também de alegrias e momentos de felicidade, de crescimento e conhecimento.


Mas é sobretudo, um livro que dói ao virar de cada página já que o passado é sentido agora pela dura perda de um ente querido. E se vocês já perderam alguém assim tão importante, de certeza que se vão identificar com algumas destas passagens. É de extrema beleza a forma como o autor transfere para o papel todos os sentimentos que atravessa e a forma como se sente e se integra no mundo, depois de o pai morrer.


Há quem diga que é uma obra demasiado pessoal, com sofrimento de outrem e que, por essa mesma razão, deveria ter ficado restrita ao autor e à família. Eu discordo, discordo totalmente. Quem me dera ter tido a oportunidade de ler estas palavras há uns anos atrás... o bem que isto me fazia! E quantos poemas lemos que têm a mesma linha de sentimentos? Quantos poemas que nos relatam sentimentos tão pessoais e tristes? Este é só escrito em prosa e tem um número maior de palavras... Nada mais.

É lindo.

A começar pelo título ~ Morreste-me ~ às últimas palavras: "(...) ficaste todo em mim. Pai. Nunca esquecerei".


É um livro que quero reler vezes sem conta na minha vida.

É um livro que ofereceria quase a qualquer pessoa. Porque nos toca e porque nos fala de um sentimento que é comum a quase todos nós.


17 fevereiro 2016

REVIEW | Segredos de uma ilha


Título Original: Segredos de uma ilha
Autor: Natacha Silveira e Bruno Silveira
Editora: Chiado Editora
Data: 2015
Páginas: 505
ISBN9789895141999
Classificação Pessoal:
Goodreadsaqui

Hoje trago-vos a opinião de uma livro que já queria ter em mãos, desde a sua data de lançamento. No entanto, só iria ter possibilidade de o comprar em Dezembro. Sorte das sortes, com a parceria recentemente estabelecida com a Chiado Editora, acabei por recebê-lo, em casa, para opinião.

O que é que me chamou a atenção, desde o início, neste livro? O facto da história se desenrolar na Madeira ~ ilha linda que adorei visitar há quase um ano atrás; e por juntar um punhado de seres sobrenaturais. Sim, preparem-se para viver uma história emocionante a par com feiticeiros, lobisomens, vampiros, metamorfos e demónios. Não falta nada!

Esta é a história de três irmãos ~ Sakura (adoro este nome!), Sven e Santiago ~ feiticeiros com uma linhagem que os vai tornar, de certa forma, especiais. Um grande mistério paira sobre o seu passado, sobre as suas origens, detalhes que estão estrategicamente escondidos e camuflados, para que os mesmos se encontrem protegidos. E sim leitores, vamos "arder" grande parte do livro a tentar descobrir o que é!


Os três irmãos foram treinados com dois importantes mestres e agora os dois rapazes trabalham como caçadores e Sakura é gerente de um bar especial ~ o Enconberto ~, um local de lazer procurado pelas diferentes raças e o único com esta característica. E sim, funciona! e todos eles se comportam e convivem uns com os outros. 

Como já devem estar a adivinhar, algo acontece que vem dar um "abano" às coisas: os recursos de sangue artificial, que os senhores vampiros consomem, está a ser reduzido por forças externas. E isto é, de facto, preocupante. Já imaginaram aqueles sanguessugas a morder os pescocinhos dos madeirenses? Novamente, os três irmãos vão ter um papel importante para a resolução deste problema e, ao mesmo tempo que se procura essa solução, um sem número de intrigas e descobertas se começa a desenrolar. E aqui a história começa a aquecer :) 

Traições, mistério, ancestralidade e linhagens curiosas, velocidade, humor, intrigas, cultura nipónica, referências musicais e pinceladas à beleza da ilha da Madeira e suas tradições... podem esperar tudo isto e muito mais nestas 500 páginas.


Na minha opinião, é um livro bem escrito, com personagens consistentes e trabalhadas. Adorei a Sakura (não só pelo nome, hehe) mas pela sua personalidade, por não ser a menininha nhec sem sal e parvinha, imagem à qual nos habituamos em tantos livros de fantasia. Não chega a ser ~ atrevo-me a dizer: AINDA ~ uma badass, mas é uma rapariga com fortes princípios e que sabe manter a sua posição e fazer-se respeitar. Tal como a própria afirma, assemelha-se mais com uma princesa guerreira do que a uma princesa da Disney.

Para além da Sakura, adorei o Dante. Que ser mais extravagante e, por vezes, irritante. Mas, ao mesmo tempo, divertido, cheio de humor e com um charme encantador.

E não é que este livro se safou de um triângulo amoroso? Bem, safou-se mas não dou garantias que não apareça no segundo volume da série. Por favor, Natacha e Bruno, nãããooo!


Há inúmeras referências musicais nesta obra. Boa música, devo acrescentar! :) Mas achei que era um pouco, nadinha, em quantidade exagerada. Acho que não pecava em fornecer um menor número de referências.

Adorei a proximidade que é criada com o leitor, conseguida com algumas passagens dirigidas a nós, figura física que segura aquele livro nas mãos, para conhecer a história.


Uma das faltas que senti foi a de um mapa genealógico com as personagens. Esta é uma história recheada de personagens em que a sua relação de parentesco é, muitas das vezes, essencial para compreender o desenrolar da intriga. Se calhar o problema foi meu, mas dei por mim, várias vezes, perdida sem saber quem era aquele ou aquela.


E outra coisa importante, não podia terminar esta opinião sem deixar referir a qualidade da edição da Chiado Editora. Já sabem que eu gosto de "usar" os meus livros. Este não foi excepção: abri, espalmei, dobrei a lombada e, reparem só, continua impecável! 5 estrelas para a parte física do livro.

Aconselho esta narrativa a quem gostar de histórias com conteúdo sobrenatural e um delicioso mistério. Tenho a certeza que vão gostar. Ah, e prometo que encontram o Merlin por cá :)

Já viram o preço do ebook? Só 3 euros!